Meditação - O Que Sou?

Meditação

Terapias Alternativas 21:44, 22 Abril, 2021

0

A meditação pode ter uma função extremamente importante na nossa vida, se assim o decidirmos.

Tem sido utilizada pelos seres humanos, ao longo dos tempos, de forma a auxiliar na busca de paz interior... 

E, também, para proporcionar um maior bem-estar espiritual, mental e físico.

Pode-se pensar que a meditação é uma prática essencialmente oriental, mas tem sido utilizada nas mais diversas religiões em todo o mundo. Sempre que alguém dedica uma parte do seu tempo a concentrar-se num determinado propósito está a meditar.

Já viram como é fácil meditar?

Se ainda não experimentaram, sugiro que o façam, pois este método ajuda muito no nosso processo de auto cura. 

Existem vários estados de meditação que podemos ir atingindo com a prática regular, aumentando progressivamente os nossos níveis de consciência e melhorando a compreensão do todo, o que contribui para o nosso próprio processo evolutivo.

No silêncio interior, conseguimos mais facilmente aceder aos conhecimentos da nossa alma, adquirido ao longo de várias vidas, e também aceder ao conhecimento coletivo.

Com a meditação atinge-se o estado alfa, ocorrendo alterações das ondas cerebrais e a produção de endorfinas, denominadas “opiáceos da natureza”, que originam sensações de calma, serenidade, bem-estar mental e físico.

A meditação proporciona-nos um aumento da capacidade de lidarmos com as situações com que nos vamos deparando no dia-a-dia.

Conseguimos alcançar facilmente o equilíbrio, usufruindo de uma vida mais harmoniosa e sentindo que voltamos a ter controlo das nossas emoções.

Meditar passa por pararmos e aceitarmos viver o momento presente, libertando-nos de todas as tensões, preocupações e stress.

Com a vida agitada que muitos de nós levamos, repleta de compromissos, parar por uns minutos pode ser sentido como um privilégio.

Há diversas meditações e formas bem distintas para as fazermos como por exemplo: dar um passeio na natureza, respirando tranquilamente e sentindo a ligação à mãe terra, enquanto andamos, devemos apreciar cada movimento e tudo o que nos rodeia, nomeadamente as árvores, a terra, o sol, o mar e os animais, saborear os aromas, distinguir os sons…

Sentar num local tranquilo e permitirmo-nos descontrair, viver o momento presente, entrando em contato com o nosso mundo interior e obtendo assim um nível de consciência mais elevado.

Meditar passa por silenciar a mente, parando o turbilhão de pensamentos que estamos habituados, atingindo um nível de relaxamento profundo.

Para induzirmos mais facilmente um estado meditativo, podemos recorrer à audição, como o som da água a correr, do mar, da chuva, do batimento cardíaco, uma música suave ou um mantra como “OM”.

Ao tato, como passar ritmadamente um fio de contas pelos dedos; as crianças pequeninas adotam frequentemente esta forma usando um boneco de pano macio ou uma manta que manuseiam para se acalmarem, sentindo também o conforto e a segurança de algo que lhe é familiar e que associam ao seu ambiente de referência.

À visão, como fixar uma vela acesa e concentrar-se na cor, na forma, no movimento da chama, esvaziando assim a mente de outros pensamentos.

Guiar a nossa mente, orientando-a no sentido desejado, meditações guiadas das mais variadas formas, podendo existir tantas quantas a nossa imaginação criar; ou ainda simplesmente deixar os pensamentos surgirem sem os analisarmos até alcançarmos o silêncio interior.

Ao meditarmos, conectamo-nos com a Mãe Terra e ligamo-nos ao Universo, à Fonte.

Ao conectarmo-nos com a Mãe Terra, enraizamo-nos e conseguimos assim libertar-nos de toda a energia de que não necessitamos.

Mas que está dentro do nosso campo energético, ou seja, a nossa aura, energia essa que se dirige para o centro da Terra, a fim de ser transformada/purificada, ou é devolvida a quem pertence.

Esta energia pode ser nossa ou não. 

A partir do momento em que já aprendemos o que tínhamos a aprender com ela, podemos liberta-la, deixando-a ir.

Pode ser energia que não nos pertence, mas que está indevidamente dentro da nossa aura.

Quando se tem uma vivência intensa com alguém, positiva ou negativa, muitas vezes ficamos com energia dessa pessoa na nossa aura e passamos o dia a lembrarmo-nos dela.

Devemos libertar essa energia que não nos pertence, pois dentro do nosso campo energético só deve existir a nossa energia.


"A única forma de desenvolvimento é um esforço constante através da meditação.

É claro que, no início, isso não é fácil.

Encontram-se dificuldades inesperadas, às vezes há perda de entusiasmo.

Ou talvez o entusiasmo inicial seja excessivo e diminua progressivamente

com o passar das semanas ou meses.

É preciso elaborar uma abordagem persistente,

constante, baseada em um compromisso de longo prazo."

Dalai Lama

2 Partilhas

Posts Relacionados

Deixe o seu comentário!